sexta-feira, 22 de maio de 2015

quarta-feira, 20 de maio de 2015

terça-feira, 19 de maio de 2015

Clandestinos do amor | Ana Moura



Clandestinos do amor de António Pedro Vasconcelos, da banda sonora Os gatos não têm vertigens, do mesmo autor, 2014.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Ninguém faz de propósito, eu sei! Mas acontece tantas vezes ...



"Para celebrar o Dia Internacional da Língua Portuguesa, Vasco Palmeirim convidou os D.A.M.A para se juntarem a ele numa nova versão de Às Vezes. Passou a ser Às Vezes (Escuto e Observo Erros de Português). Juntos, somos os Cavaleiros do Priberam."

Neste poema, enunciam-se muitos dos erros que encontramos por , lamentavelmente, em textos de pessoas que teriam a obrigação e o dever de não os cometer. Podem ouvir com atenção a letra e, em caso de dúvidas, consulte o Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Eu faço-o! 

terça-feira, 5 de maio de 2015

O Dia da Língua Portuguesa e da Cultura

Hoje é o dia em que, oficialmente, se comemora o dia da língua portuguesa e da cultura no mundo da lusofonia. Escolhi o episódio de Inês de Castro de Os Lusíadas, por o considerar um dos textos mais bonitos escritos na nossa língua.


Resultado de imagem para os lusiadas capas de livros
Estavas, linda Inês, posta em sossego,

De teus anos colhendo doce fruto,
Naquele engano da alma, ledo e cego,
Que a Fortuna não deixa durar muito,
Nos saudosos campos do Mondego,
De teus formosos olhos nunca enxuto,
Aos montes ensinando e às ervinhas
O nome que no peito escrito tinhas.

Do teu Príncipe ali te respondiam
As lembranças que na alma lhe moravam,
Que sempre ante seus olhos te traziam,
Quando dos teus formosos se apartavam;
De noite, em doces sonhos que mentiam,
De dia, em pensamentos que voavam;
E quanto, enfim, cuidava e quanto via
Eram tudo memórias de alegria.

De outras belas senhoras e Princesas
Os desejados tálamos enjeita,
Que tudo, enfim, tu, puro amor, desprezas
Quando um gesto suave te sujeita.
Vendo estas namoradas estranhezas,
O velho pai sesudo, que respeita
O murmurar do povo e a fantasia
Do filho, que casar-se não queria,

Tirar Inês ao mundo determina,
Por lhe tirar o filho que tem preso,
Crendo co sangue só da morte indina
Matar do firme amor o fogo aceso.
Que furor consentiu que a espada fina
Que pôde sustentar o grande peso
Do furor Mauro, fosse alevantada
Contra ua fraca dama delicada?

Traziam-a os horríficos algozes
Ante o Rei, já movido a piedade;
Mas o povo, com falsas e ferozes
Razões, à morte crua o persuade.
Ela, com tristes e piedosas vozes,
Saídas só da mágoa e saudade
Do seu Príncipe e filhos, que deixava,
Que mais que a própria morte a magoava,

Pera o céu cristalino alevantando,
Com lágrimas, os olhos piedosos
(Os olhos, porque as mãos lhe estava atando
Um dos duros ministros rigorosos);
E depois nos mininos atentando,
Que tão queridos tinha e tão mimosos,
Cuja orfindade como mãe temia,
Pera o avô cruel assim dizia:

-«Se já nas brutas feras, cuja mente
Natura fez cruel de nascimento,
E nas aves agrestes, que somente
Nas rapinas aéreas têm o intento,
Com pequenas crianças viu a gente
Terem tão piadoso sentimento
Como com a mãe de Nino já mostraram,
E cos irmãos que Roma edificaram:

Ó tu, que tens de humano o gesto e o peito
(Se de humano é matar ua donzela,
Fraca e sem força, só por ter subjeito
O coração a quem soube vencê-la),
A estas criancinhas tem respeito,
Pois o não tens à morte escura dela;
Mova-te a piedade sua e minha,
Pois te não move a culpa que não tinha.

E se, vencendo a Maura resistência,
A morte sabes dar com fogo e ferro
Sabe também dar vida com clemência
A quem pera perdê-la não fez erro.
Mas, se to assim merece esta inocência,
Põe-me em perpétuo e mísero desterro,
Na Cítia fria ou lá na Líbia ardente,
Onde em lágrimas viva eternamente.

Põe-me onde se use toda a feridade,
Entre liões e tigres, e verei
Se neles achar posso a piedade
Que entre peitos humanos não achei.
Ali, co amor intrínseco e vontade
Naquele por quem mouro, criarei
Estas relíquias suas, que aqui viste,
Que refrigério sejam da mãe triste.»

Queria perdoar-lhe o Rei benino,
Movido das palavras que o magoam;
Mas o pertinaz povo e seu destino
(Que desta sorte o quis) lhe não perdoam.
Arrancam das espadas de aço fino
Os que por bom tal feito ali apregoam.
Contra ua dama, ó peitos carniceiros,
Feros vos amostrais - e cavaleiros?

Qual contra a linda moça Policena,
Consolação extrema da mãe velha,
Porque a sombra de Aquiles a condena,
Co ferro o duro Pirro se aparelha;
Mas ela, os olhos com que o ar serena
(Bem como paciente e mansa ovelha)
Na mísera mãe postos, que endoudece,
Ao duro sacrifício se oferece:

Tais contra Inês os brutos matadores,
No colo de alabastro, que sustinha
As obras com que Amor matou de amores
Aquele que depois a fez Rainha,
As espadas banhando, e as brancas flores,
Que ela dos olhos seus regadas tinha,
Se encarniçavam, férvidos e irosos,
No futuro castigo não cuidosos.

Bem puderas, ó Sol, da vista destes,
Teus raios apartar aquele dia,
Como da seva mesa de Tiestes,
Quando os filhos por mão de Atreu comia!
Vós, ó côncavos vales, que pudestes
A voz extrema ouvir da boca fria,
O nome do seu Pedro, que lhe ouvistes,
Por muito grande espaço repetistes!

Assim como a bonina, que cortada
Antes do tempo foi, cândida e bela,
Sendo das mãos lacivas maltratada
Da minina que a trouxe na capela,
O cheiro traz perdido e a cor murchada:
Tal está, morta, a pálida donzela,
Secas do rosto as rosas e perdida
A branca e viva cor, com a doce vida.

As filhas do Mondego a morte escura
Longo tempo chorando memoraram,
E, por memória eterna, em fonte pura
As lágrimas choradas transformaram.
O nome lhe puseram, que inda dura,
Dos amores de Inês, que ali passaram.
Vede que fresca fonte rega as flores,
Que lágrimas são a água e o nome Amores!

em Os Lusíadas de Luís de Camões (Canto III, estrofes 120 -135)


segunda-feira, 4 de maio de 2015

STILL ALICE | Memories: my most precious possessions!

All my live I' ve accumulated memories. They' ve become, in a way, my most precious possessions ...



Still Alice de Richard Glatzer e Wash Westmoreland, 2014.

The art of losing isn’t hard to master;
so many things seem filled with the intent
to be lost that their loss is no disaster.
(...)

In Art  de Elizabeth Bishop

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Zeca Afonso ao vivo | Coliseu 1983



Lembrar, hoje, no dia em que, ainda, se comemora o Dia do Trabalhador, Luís Cilia, Adriano Correia de Oliveira, Fausto, Francisco Fanhais, Vitorino, Sérgio Godinho ... neste concerto de Zeca Afonso, no Coliseu, em 1983 (na íntegra).

Trova do vento que passa de Manuel Alegre

Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça 
o vento nada me diz. 

Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas 
e os rios não me sossegam 
levam sonhos deixam mágoas. 

Levam sonhos deixam mágoas 
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz. 

Se o verde trevo desfolhas 
pede notícias e diz 
ao trevo de quatro folhas 
que morro por meu país. 

Pergunto à gente que passa 
por que vai de olhos no chão. 
Silêncio -- é tudo o que tem
quem vive na servidão. 

Vi florir os verdes ramos 
direitos e ao céu voltados. 
E a quem gosta de ter amos 
vi sempre os ombros curvados. 

E o vento não me diz nada 
ninguém diz nada de novo. 
Vi minha pátria pregada 
nos braços em cruz do povo. 

Vi minha pátria na margem 
dos rios que vão pró mar 
como quem ama a viagem 
mas tem sempre de ficar. 

Vi navios a partir 
(minha pátria à flor das águas) 
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome. 
Eu vi-te crucificada 
nos braços negros da fome. 

E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste. 
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste. 

Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo 
vi minha pátria florindo. 

E a noite cresce por dentro 
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz. 

Quatro folhas tem o trevo
liberdade quatro sílabas. 
Não sabem ler é verdade 
aqueles pra quem eu escrevo. 

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa. 

Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão 
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Manuel Alegre

Chuva no mar | Carminho e Marisa Monte



Chuva no mar do álbum Canto, 2014
poema de Arnaldo Antunes e música de Carminho e Marisa Monte